Key Alves fala na volta ao vôlei e o desejo de estar nas Olimpíadas

Key Alves se prepara para voltar à quadra de vôlei após dois anos afastada. A ex-BBB foi convidada pela LOVB, League One Voleyball, liga profissional de vôlei dos Estados Unidos, para jogar e está animada para o desafio.

Key Alves

Em entrevista ao Gshow da Globo, a atleta contou que passa por uma recuperação que vai durar nove meses com fisioterapia e musculação por causa da lesão que tinha no joelho esquerdo para chegar ao Texas, em novembro, 100% recuperada.

“Vou na primeira semana de novembro, me apresento, faço os exames médicos e tenho que fazer um teste no joelho, preciso estar com ele 100%, senão não posso jogar. É uma preparação que venho fazendo todos os dias com fisioterapia, academia e mentalmente. Quando lesionei, estava na minha pior fase de atleta, pois estava pressionada por substituir a maior líbero do Brasil, a Camila Braz, tinha 22 anos. Estou preparando mais minha cabeça até do que meu joelho”, diz.

“Minha meta é ser Seleção Brasileira e jogar uma Olimpíada, é para isso que estou voltando a jogar. Tenho certeza que vai ser em 2028, está na minha mente, além de ganhar a liga americana agora”.

Apesar de estar passando por toda uma preparação física para voltar ao vôlei, Key afirmou que seu maior embate será ela mesma.

Key Alves

“O maior desafio do meu retorno sou eu mesma, saber lidar com o incerto, não saber se vou chegar jogando ou se vou ser banco. Sou uma pessoa muito competitiva, nunca fui banco, o desafio é esperar o meu momento, ter o pé no chão. Sei que tem meninas que estão jogando nas Olimpíadas e sei que vou ter que lutar para estar melhor”.

Serão duas temporadas nos Estados Unidos, que começa em novembro até março e Key pensa em tirar umas férias ou tentar jogar em um campeonato na Europa:

“Fui liberada para jogar outros campeonatos, gostaria de jogar a Superliga no Brasil, é a única que ainda não fui campeã aqui, mas é bem nos jogos de lá, então não vai dar. De repente jogar na Europa em algum campeonato que não bata com o americano”.

Saudade das quadras

Antes de entrar no Big Brother Brasil, Key sofreu uma lesão no ligamento do joelho esquerdo e já estava afastada do esporte. A jogadora de vôlei está com brilho nos olhos.

“Sentia muita falta do que fazia há 13 anos, mas pesava muito a questão financeira, do esporte não ter tanto patrocínio no Brasil. Recebi um convite da liga americana e me animei, me deu gás, mas precisava fazer uma cirurgia no joelho. Quando saí do BBB, fiquei um pouco desorientada sobre o que fazer. Cheguei a fazer curso de atriz, tudo o que podia, mas não me encontrava, não tava feliz. Resolvi aceitar a proposta e estou muito feliz de voltar a fazer o que amo”, contou.

Key Alves

“No Brasil, quase todas as equipes queriam após o BBB, mas acredito que seria mais marketing porque estava lesionada, já ia começar o campeonato e ninguém pensou que eu teria meses para me preparar. Recusei, mas sei que tenho portas abertas para voltar, saí do meu time Osasco amigavelmente. Tenho vontade de jogar no Flamengo para ser treinada pelo Bernardinho, maior técnico do mundo”.

Morar nos Estados Unidos

Key Alves já começou a ver casa e está organizando sua ida. Ela fala das vantagens de jogar fora do Brasil e como é a valorização do atleta.

Fiquei com medo de passar perrengue, mas lá vou poder escolher a casa, o carro, tudo o que quero, fora o salário. Ser atleta não é só jogar, a gente treina três vezes por dia, são mais de 8 horas de treinamento, é um trabalho muito forte. Já foi o momento que jogava por amor, na categoria de base você tem que pensar em chegar no profissional. Mesmo tendo sido da Seleção, ter sido a melhor líbero da sul-americana, ter ganhado campeonato paulista, brasileiro, meu salário não ia”, explicou.

Influenciadora e conteúdo adulto

Ela ainda comentou que ao começar a fazer conteúdo adulto na internet algumas equipes não apoiavam que a atleta poderia conciliar os dois trabalhos.

“Vi que na internet ganhava muito mais e queria levar os dois juntos. Tinha time que não aceitava, achava que tava mais focada na internet do que no vôlei e não era. Queria mudar a vida dos meus pais”, disse Key, que vai seguir como influenciadora:

“Vou conciliar. Não quero continuar com o conteúdo adulto o resto da minha vida, apesar de ser conteúdo simples, fotos que postava na minha rede social, não é para sempre, uma hora acaba. Foi pela internet que as pessoas descobriram quem eu sou, talvez pelo vôlei isso demorasse mais”.

Família longe

Key tem uma irmâ gêmea, Keyt Alves, e será a primeira vez que as duas vão ficar longe. Inclusive, o mais distante que ficou da família foi morar na capital de São Paulo e eles em Bauru: “Minha irmã gêmea vai pegar mais. Uma coisa é vir morar em São Paulo, pegar o carro e em horas estar com a minha família. Em outro país, vai pesar muito. Sou muito família, não gosto de ficar sozinha, mas vou levar elas para me visitar. Vai dar certo”, disse ela, que espera a visita do namorado Bruno Rosa:

“A gente está planejando uma coisa distante. A carreira dele tem muito show, não vai dar para ele estar sempre lá, mas vamos conseguir tirar uns dias lá, ver um jogo”.

Deixe um comentário

Close