Pitty fala sobre nova fase de parcerias musicais

Pitty fala sobre nova fase de parcerias musicais

23 de setembro de 2022 0 Por admin

Pitty nunca foi muito de feat. A carreira solo sempre foi realmente solo: quatro álbuns e 21 singles sempre desacompanhada. A cantora baiana só foi sentir o gosto de uma parceria em 2019, no disco “Matriz”, só com artistas vindos da Bahia (Larissa Luz, BaianaSystem e Lazzo Matumbi).

O parceiro da vez é Nando Reis, na turnê “As Suas, As Minhas e As Nossas”, que passa por São Paulo nesta sexta-feira (23).

A ideia do projeto surgiu a partir de conversas dos dois depois que fez uma versão de “Relicário” no programa “Saia Justa”, da GNT. Ele mandou uma mensagem dizendo que adorou e veio a primeira parceria: “Um tiro no coração”, em 2021.

A partir daí, a dupla começou a pensar em um show juntos, retrabalhando as discografias dos dois. Mas Pitty precisou de tempo para se abrir a parcerias tão intensas quanto essa com o ex-integrante do Titãs. “Eu sempre me senti meio loba solitária”, explica ela.

A cantora de 44 anos já teve outros parceiros como o produtor Rafael Ramos e membros de sua banda, como o guitarrista Martin Mendonça, com quem ela formou o duo de folk Agridoce. A ideia de se jogar nos feats foi confirmada em “Casulo”, lançado no começo de 2022. O EP tem as cantoras Drik Barbosa e Jup do Bairro, o produtor Pupillo (ex-Nação Zumbi) e dois nomes do reggae, o grupo Rockers Control e o cantor Monkey Jhayam.

“Foi um processo natural de descoberta da minha própria musicalidade”, conta Pitty. “Fazia muito sentido compor aquelas primeiras canções ali no meu quarto, sozinha com o meu violão. Porque eram realmente coisas muito pessoais que diziam respeito, claro, ao mundo que eu estava observando, mas principalmente aquele universo particular de uma menina ali, né?”, recorda.

Desse universo, saíram músicas do primeiro álbum, de 2003, como “Máscara” e “Teto de Vidro”. Elas devem aparecer nos setlists da turnê com Nando, em versões emendadas com canções dele.

Mas nada disso estaria acontecendo se não fosse “Matriz”, o tal disco do começo deste texto. “Ele foi uma ruptura não necessariamente racionalizada. Mas um pouco dessa vontade que sempre existiu em mim de fazer algo diferente, de buscar um método diferente, de não me prender a velhas formas.”

“A cada disco eu tenho a vontade de descobrir algo que eu ainda não sei sobre mim. Então, se no primeiro disco eu estava ali sabendo que era possível criar canções dentro de um quarto com violão, agora eu quis saber como é trazer outras pessoas e fazer isso de uma outra forma”.

“Equalize” e “Na sua estante”, as duas mais ouvidas de Pitty nas plataformas de streaming, também estão garantidas no show com Nando. Como ter, entre tantas músicas mais pesadas, justamente duas de suas poucas baladas no topo do ranking pessoal de mais ouvidas?

“São duas músicas que se expandiram muito né? Elas saíram muito da minha mão… no sentido das pessoas se apropriarem, de outros artistas se apropriarem. ‘Na Sua Estante’ foi regravada por muitas bandas e artistas de estilos diferentes. ‘Equalize’ marcou uma fase de muita gente também e mesmo hoje quem não conhecia e escuta muito”.

Ela contou como foi a reação de Nando ao ouvir a balada, quando eles foram criar um arranjo para o show. “Ele falou… ‘Equalize’, que música linda… Então, talvez seja só uma música bonita também, né? Mas que eu tive tanto medo dela no começo que eu falei: ‘Ah, meu Deus, eu quero que as pessoas ouçam as outras também, que não achem que eu sou só isso’. Acho que esse objetivo eu consegui, porque as pessoas conheceram o meu trabalho através de ‘Máscara’, depois de ‘Admirável Chip Novo’. ‘Equalize’ só veio lá na frente quando eu já tinha dito o que eu queria dizer é a priori, né?”.

Pitty e Nando Reis em São Paulo

  • 23 de setembro: São Paulo – Espaço Unimed
  • 1º de outubro: Jaguariúna (SP) – Red Eventos
  • 7 de outubro: Vitória – Espaço Patrick Ribeiro
  • 8 de outubro: Rio de Janeiro – Quali Stage
  • 9 de outubro: Campo Grande – Praça pública
  • 15 de outubro: Fortaleza – Marina Park Hotel
  • 22 de outubro: Porto Alegre – Teatro Araújo Vianna
  • 23 de outubro: Porto Alegre – Teatro Araújo Vianna
  • 28 de outubro: Curitiba – Live Curitiba
  • 29 de outubro: Florianópolis – Hard Rock Live
  • 1º de novembro: Belo Horizonte – Expominas
  • 11 de novembro: Feira de Santana (BA) – Aria Hall
  • 12 de novembro: Salvador – Arena Fonte Nova
  • 18 de novembro: Manaus – Local em breve
  • 19 de novembro Belém – Espaço Náutico

Fonte g1

Foto: Otavio Souza