Neymar pode bater recorde de Pelé e CBF não irá badalá-lo

Neymar pode bater recorde de Pelé e CBF não irá badalá-lo

22 de setembro de 2022 0 Por admin

Quantos gols Pelé tem pela seleção brasileira? Quem digitar essa pergunta em sites de busca pela internet pode ficar confuso. O critério recentemente estabelecido pela Fifa – de contar jogos apenas entre seleções – “sumiu” com 18 gols do Rei com a camisa mais famosa do mundo. O caso trata-se, praticamente, de uma questão de honra da CBF para valorizar marcas antigas e tradicionais do futebol brasileiro. Um deles, o recorde de Pelé, de 95 gols.

Neymar está muito próximo da marca do Rei na contagem da Fifa. Nesta, Pelé tem 77 gols e Neymar, 74.

Nos amistosos contra Gana e Tunísia, nessa sexta-feira e na próxima terça, existe a expectativa de mais gols do craque do PSG, que vive grande fase com 11 gols em 11 partidas pelo seu clube nesta temporada, além de nove assistências.

Mas a CBF não vai fazer nenhuma menção especial neste caso. Isto porque o Rei, que já mandou tantas mensagens carinhosas a Neymar, vai seguir como maior artilheiro da história da Seleção nos critérios da entidade. Pelo menos por enquanto.

Historiador da CBF e autor de livros sobre a história centenária da seleção brasileira, o jornalista Antônio Carlos Napoleão funciona como um guardião dessas marcas. Ele trabalha para digitalizar as memórias esquecidas do futebol brasileiro. A ideia é disponibilizar no site da CBF quando ficar pronto um banco de dados gigantesco que inclui o resgate de escalações, jogos e gols em todos os tempos da Seleção.

– A data Fifa foi criada em 2002. O que você faz com o que tem de 2002 para trás? Existiam jogos amistosos contra as seleções estaduais nos anos 1960, nos anos 1970 e os estádios estavam sempre lotadíssimos, superlotados, com rendas altíssimas – lembra Napoleão.

São justamente essas partidas, contra combinados e clubes, que não entram nas contas da Fifa. Pelé marcou diante de Malmö e AIK (da Suécia), Inter de Milão (Itália), Atlético de Madrid (Espanha), Combinado de Guadalajara e de Léon (México), Bahia, Atlético-MG, Seleção Pernambuca e Seleção Amazonense.

Vale destacar que não foi apenas o Rei que sofreu com a “perda” de gols em algumas contagens. Também não são considerados os gols de Neymar nas Olimpíadas de 2012 e 2016, já que o torneio é disputado por equipes sub-23.

Atualmente com 30 anos, Neymar atuou 119 vezes pela Seleção principal, o que dá uma média de 0,62 gol por confronto nos critérios da Fifa. Já Pelé atuou com a amarelinha em 92 oportunidades, tendo média de 0,84 gol por jogo.

Com a amarelinha, Neymar faturou a Copa das Confederações de 2013 e o Superclássico das Américas em 2011, 2012, 2014 e 2018. O atacante também conquistou o ouro olímpico em 2016, no Rio de Janeiro, mas a competição não entra nas contas de jogos oficiais por ser disputada por equipes sub-23.

Já Pelé tem um currículo bem mais extenso pela Seleção em termos de títulos. O Rei levantou três Copas do Mundo (1958, 1962 e 1970), uma Taça do Atlântico (1960), duas Copas Roca (1957 e 1963), três Taças Oswaldo Cruz (1958, 1962 e 1968), além da Taça Bernardo O’Higgins (1959).

Eurocentrismo

Antônio Carlos Napoleão lembra de conversa recente com Edu, ex-ponta-esquerda do Santos e campeão do mundo em 1970, sobre a inauguração do estádio Vivaldão, em Manaus, que foi reconstruído para a Copa de 2014. Naquela partida, em 1969, Pelé marcou um gol. Foi parte da preparação para a Copa do México.

– Edu me lembrou que tinha muita gente, era gente saindo pelo ladrão. Não tinha lugar. Você entra em campo, com uniforme oficial, cobrando ingresso, com trio de arbitragem… como é que você não vai dar cunho oficial disso? O que me preocupa muito nisso é que, por exemplo, em 2002, Pelé, Rivelino, Zico, Jarizinho, esses caras não jogavam mais. O que faz com o gol deles? – questiona o historiador, antes de desabafar:

– Eu até torço cara pra que alguém bata logo essa marca (do Pelé). Aí acaba com esse sofrimento todo. Na Europa, por exemplo, eles não levam em consideração gol de Campeonato Paulista. Mas por que isso? Porque o país deles é um ovo e o Brasil é enorme. Existem algumas coisas que ficam europeizadas. Para mim, eles (da Fifa, da Europa) jamais iam desmistificar essas marcas se fossem deles. Duvido!