Michael Jackson teria usado 19 identidades falsas para obter drogas

Michael Jackson teria usado 19 identidades falsas para obter drogas

30 de agosto de 2022 0 Por admin

Michael Jackson teria usado 19 identidades falsas para conseguir drogas, segundo um novo documentário do TMZ sobre o Rei do Pop. Em 2009, o astro de 50 anos foi encontrado inconsciente em sua casa em Los Angeles após sofrer uma parada cardíaca provocada pelo anestésico propofol, droga supostamente administrada rotineiramente pelo médico Conrad Murray.

A morte de Jackson foi considerada homicídio, e Murray foi condenado por homicídio involuntário e foi sentenciado a quatro anos de prisão, cumprindo pouco menos de dois atrás das grades.

O documentário TMZ Investigates: Who Really Killed Michael Jackson, que deve ser lançado na Fox no próximo mês, sugere que, embora Murray tenha sido culpado, Jackson, durante a maior parte de sua vida, abusou de drogas em doses alarmantes.

Orlando Martinez, o detetive do LAPD designado para a morte de Jackson, disse no documentário: “É muito mais complicado do que apenas: Dr. Murray estava ao lado de sua cama quando morreu. As circunstâncias levaram à sua morte por anos, e todos esses diferentes profissionais permitiram que Michael ditasse seus próprios termos, pegasse os remédios que quisesse, quando quisesse, onde quisesse. Todos eles são a razão pela qual ele está morto hoje”, continuou ele.

De acordo com Ed Winter, o legista-chefe assistente do condado de LA, Jackson estava tomando propofol em garrafas do tamanho de Gatorade no momento de sua morte. “Era a única maneira de dormir, especialmente quando estava se preparando para uma turnê”, reforçou.

O produtor executivo do TMZ Harvey Levin, a quem o famoso dermatologista de Hollywood Arnold Klein confessou distribuir o opioide Demerol junto com mais substâncias para a superestrela em uma entrevista de novembro de 2009, disse que era “rotina” para Michael ficar chapado com Demerol “por horas a fio”.

Também foi revelado que, como o relacionamento de Jackson e Klein se tornou mais uma amizade do que de médico e paciente, o dermatologista supostamente manteve documentos fraudulentos sobre o cantor. Winter afirmou que Jackson criou 19 falsos pseudônimos para coletar drogas diferentes, e Klein manteve um livro especial observando quais prescrições foram para cada identidade falsa.

“A maneira como Michael conseguiu todas essas drogas foi fazer compras médicas. Ele tinha vários médicos diferentes com os quais estava envolvido e ele ia ao ‘Doutor A’ e pedia um sedativo, e então ele ia ao ‘Doutor B’ e podia pedir o mesmo”,contou o cirurgião plástico de Jackson, Dr. Harry Glassman

As coisas chegaram a um ponto de ebulição em 2009, quando Jackson estava se preparando para sua turnê This Is It, pois seu comportamento se tornou uma preocupação notável para o diretor Kenny Ortega. “Há fortes sinais de paranoia, ansiedade e comportamento obsessivo. Acho que a melhor coisa que podemos fazer é chamar um psiquiatra de primeira linha para avaliá-lo o mais rápido possível”, escreveu Ortega em um e-mail de preocupação durante os ensaios.

Fonte Revista Quem