Como anda sua libido?

Como anda sua libido?

20 de junho de 2022 0 Por admin

Você já parou para avaliar como anda sua libido? De acordo com especialistas, em alguns casos, a perda da libido ou falta de desejo sexual pode estar relacionada ao déficit hormonal. O ginecologista e Diretor Geral da Clínica Elsimar Coutinho, Dr. Luiz Carlos Calmon, aponta que a terapia de reposição hormonal pode ser importante e necessária neste processo.

Segundo o especialista, é importante ressaltar que a terapia de reposição hormonal varia conforme o caso, e a prescrição do tratamento com hormônios deve ser individualizada. “Em alguns casos, podem ser indicados o estrogênio, a testosterona, a gestrinona ou o estradiol, mas isso varia. Em geral, a terapia de reposição hormonal é um tratamento que consiste na utilização dos hormônios que param de ser produzidos pelos ovários daquela determinada mulher”, explica.

De acordo com o ginecologista, o tratamento pode apresentar diversas vantagens, como a melhora dos sintomas climatéricos, diminuição das ondas de calor e do risco de câncer de colorretal, aumento da libido e o aumento da lubrificação vaginal.

Entre os hormônios que podem ser indicados para a reposição, estão a gestrinona e a testosterona. Se a gestrinona inibe a ovulação, por outro lado ela estimula a ação de outro hormônio, a testosterona, que embora seja reconhecida como um hormônio “masculino”, também é produzida pelas mulheres e tem importância fundamental para a saúde feminina.

“A queda nos níveis de testosterona atrapalha a memória, o humor, interfere na massa muscular, na massa óssea e até na saúde do coração. Por esse motivo, a reposição tem sido tão importante no tratamento de outros sintomas da menopausa. Como a testosterona sofre uma queda juntamente com os outros hormônios, esse declínio potencializa diversos sintomas”, acrescenta Dr. Luiz.

De acordo com o especialista, dependendo do tipo de tratamento, pode haver, sim, um aumento do desejo sexual da paciente. “Em muitos casos isso ocorre devido ao aumento da autoestima feminina combinado à melhora da lubrificação vaginal – isso porque, na ausência do estrogênio, a área costuma ficar ressecada, causando muito desconforto durante as relações sexuais”.

Já o estradiol é um hormônio produzido, principalmente, nas células granulosas dos tecidos ovarianos. As mulheres com deficiência desse hormônio tornam-se suscetíveis ao aumento de risco de incontáveis desequilíbrios e doenças. “Além disso é um hormônio que também pode ocasionar a perda da lubrificação vaginal e da libido, além de uma piora na qualidade do sono”, completa.

Ainda segundo o especialista, o envelhecimento exige maior atenção médica, também quando se fala de hormônios. De acordo com o Dr. Luiz, a partir dos 40 anos, você já pode ter uma deficiência hormonal que influencie no seu dia a dia em vários aspectos. “Embora, no caso das mulheres, ainda seja possível ter um ovário competente, porém será a década em que ele mostrará sinais de deficiências (não apenas ele como outras glândulas, como as adrenais, a tireoide). Então, a partir dessa idade, os exames anuais são importantes, para avaliar a parte física dos órgãos, como o exame de laboratório que pode sinalizar a deficiência de algum desses hormônios”, enfatiza Dr. Luiz.

Implantes – Segundo o especialista, os implantes são uma das mais recentes tecnologias utilizadas neste tratamento, mas devem ser prescritos e administrados com cautela. Ele explica que o tratamento com implantes hormonais é realizado por meio da implantação subcutânea de um segmento de tubos de silicone semipermeáveis. Esses tubos medem de 4 a 5 cm e comportam cerca de 40 a 50 mg de uma substância hormonal pura, que pode ser estradiol, testosterona bioidêntica ou progestínico. Após o processo de implantação, o hormônio é liberado gradativamente na corrente sanguínea, de maneira segura e com dosagem personalizada, por um período de seis meses a um ano.

**Sobre Dr. Luiz Carlos Calmon: Ginecologista e Obstetra, Dr. Luiz se formou na Escola de Medicina e Saúde Pública na Bahia, e possui registro nos conselhos regionais para atendimento em 4 importantes Estados do País (Bahia, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília). Especialista em Histeroscopia pela Sociedade Brasileira de Endoscopia, realizou diversos cursos de extensão nos Estados Unidos, em Oncologia, no Roswell Park Memorial Institute – Buffalo e também Fellowship no Departamento de Prevenção de Câncer Ginecológico do Detroit Medical Center – Michigan. Além de exercer a medicina, é Membro da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia e Membro da Sociedade Bahiana de Colposcopia e Patologia do Trato Genital Inferior, ambos no Estado da Bahia.

Dr. Luiz conquistou ainda a certificação, nos anos de 2016, 2017 e 2020, do Prêmio Top of Quality Brazil pela Cia Nacional de Eventos e Pesquisas pela Excelência e Qualidade em atuação com destaque e credibilidade como Médico Ginecologista. Figura também como sócio-responsável técnico pelo Laboratório Elmeco – Produção de Implantes Hormonais, em Salvador.


**Sobre a clínica Elsimar Coutinho: Com atuação há mais de 60 anos, a clínica Elsimar Coutinho oferece o que há de mais moderno no tratamento hormonal de homens e mulheres, sendo fruto de anos de estudo do Dr. Elsimar Coutinho, que dedicou sua vida à pesquisa e medicina. Atualmente, a clínica possui unidades em Salvador, Aracaju, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo.

Crédito da foto
Dr. Luiz Carlos Calmon
Créditos – Állan Maia